Festas, Feiras e Romarias

Festas do Município da Ribeira Brava
Comemora-se no  dia 06 de Dezembro as festas do Município da Ribeira Brava, pelo que todo o concelho festeja.
Diversas actividades marcam presenças nomeadamente desportivas e culturais, um sem número de manifestações que colocam Ribeira Brava em festa durante cerca várias semanas.
No dia 6 de Dezembro, dia de São Nicolau, centenas de devotos juntam na igreja da Paróquia da Nossa Senhora do Rosário, na Vila da Ribeira Brava, para homenagearem o seu Santo Padroeiro, São Nicolau. O mesmo patrono que dá nome à ilha e que outrora “doou” também o nome, ao então município de São Nicolau. Rostos carregados de fé, devoção e homenagem das gentes da Ribeira Brava que, depois da eucaristia, percorrerem debaixo do sol quente, as principais ruas da vila, carregando nos ombros São Nicolau.

Feira Agro-Pecuária
A Feira Agro-Pecuária realiza-se na placa desportiva de Maiamona, Ribeira Brava, no mês de Junho, por ocasião das festas de São Pedro. A Feira é uma iniciativa do Ministério do Ambiente Desenvolvimento Rural e Recursos Marinhos em parceria com a Câmara Municipal da Ribeira Brava.  
Esta feira tem como principal objectivo a divulgação, junto da população local e dos restantes visitantes, daquilo que de melhor possuímos em produtos vegetais e animais diversos, provenientes de toda a ilha, bem como de produtos de doçaria e bebidas regionais.
Para além de produtos ligados à agro-pecuária, nela pode-se também encontrar uma grande diversidade de atractivos: stands institucionais, exposições gerais, divertimentos para crianças e adultos, barracas, artesanato, concertos, venda de produtos diversos, etc.…

Mini Festival Lagoa
O Mini Festival de Lagoa, na localidade de Juncalinho, é um dos festivais de verão de São Nicolau, e que acontece na primeira quinzena do mês de Agosto.
Tradição de Juncalinho, o Festival da Lagoa junta gente de todas as localidades de São Nicolau, especialmente emigrantes que visitam a ilha nesta altura do ano.

Festas de Romaria

As romarias tornam-se evidentes na vida dos povos do mundo cristão desde os tempos imemoriais. Geralmente entende-se por romaria a deslocação de devotos a um certo lugar considerado sagrado pelo povo.

Santo António
As festas de Santo António festejam-se no dia 13 de Junho, na localidade de Preguiça, a cerca de 8 km da Vila da Ribeira Brava. As festas começam dias antes com a realização de diversas actividades, nomeadamente culturais e desportivas.
Na noite do dia 12, há sempre lugar para “cola” ao som dos tambores, bem como o baile popular. No dia 13, centenas de devotos juntam na capela de Santo António para homenagearem o Santo, seguido de procissão pelas ruas de Preguiça, e ainda do almoço baseado em pratos tradicionais môdje e cachupa. À noite destaca-se o tradicional baile popular.

São João
São JoãoAs festas de São João são uma manifestação cultural em que o profano e o religioso se confundem.
S. João é festejado no dia 24 de Junho, na localidade de Carvoeiros e na zona de S. João, na Vila da Ribeira Brava. Festeja-se também o S. João na localidade de Praia Branca, no município do Tarrafal.
As festas tanto numa como noutra zona começa uns dias antes com a realização de diversas actividades, nomeadamente culturais e desportivas.
Na noite do dia 23, das diversas actividades destaca-se o “lumnar” (fogueira). O “lumnar” é rodeado de tocadores de tambor juntamente de pessoas de ambos os sexos que vão colando e dançando o colá Sanjon em grande movimentação. O bater e o ritmo do tambor cria à volta das pessoas um ambiente de entusiasmo isto porque o ritmo é excitante e ao som de apitos e gritos arrebatedores fazem com que homens e mulheres não fiquem paradas.
Nessa noite é servido a cachupa, o môdje e o tradicional baile popular merece uma atenção especial. Já no dia 24 lançam-se foguetes, realizam-se diversas actividades entre as quais o almoço com pratos tradicionais, corridas atletismo, cola sanjon” ao som dos tamboreiros, “praça” (uma espécie de leilão) e o tradicional baile popular.

São Pedro
São PedroAs festas de S. Pedro no município da Ribeira Brava representam um dos aspectos culturais que tem vindo a resistir ao desgaste do tempo. É uma das festas mais populares da ilha e apresenta duas vertentes: uma religiosa e outra profana.

A vertente religiosa é constituída por missa e procissão celebrada a 29 de Junho. A vertente profana é constituída pelas manifestações ligadas à cultura africana.
É na Vila da Ribeira Brava que desde sempre se festejam em honra ao santo e essa manifestação atinge a maior expressão na véspera. Nesse dia junta-se gente de todos os cantos da ilha para assistirem ao batuque de tambores e das coladeiras que são prolongadas até à madrugada. Era costume fazer grandes fogueiras no largo da Passagem e na Pandudja que as pessoas saltavam com muito afoito.

No dia 28, das diversas actividades destaca-se as tradicionais corridas de cavalos, desfiles com trajes tradicionais por tamboreiros e coladeiras, “lumnar” na Passagem com toque de tambores e baile popular no Polivalente do Seminário da vila.

No dia de São Pedro, 29 de Junho, a Vila da Ribeira Brava será, logo cedo, acordada com alvorada. Ás 10H00 é celebrado a missa São Pedro na Igreja Matriz, seguindo-se da recepção dos tamboreiros e do almoço. A partir das 14 horas, o barco de São Pedro, parte do Porto da Chãzinha rumo à Passagem. A festa continua com o lançamento de foguetes, final da corrida de cavalos, jogos de argolinhas, demonstração de habilidades por parte dos cavaleiros enfiando lanças em pequenas argolas e partindo bilhas suspensos contendo surpresas, e entrega de prémios aos vencedores, sempre ao som dos tamboreiros. À noite o destaque vai para o baile monumental no Polivalente do Seminário local.

Esta que é uma das maiores festas de romaria de S.Nicolau prosseguirá até ao primeiro domingo seguinte, com a celebração do S. Pedrinho na Prainha, praia que dista poucos quilómetros da Vila da Ribeira Brava. É habitual levar um boneco gigante a que dão o nome de “fanduco” montado num burro divertindo o grupo acompanhante. Chegados aí há um ritual seguido por todos, o de molhar os pés nas águas do mar.
No fim da tarde regressam à Vila gritando e cantando ao ritmo de tambores com lançamento de foguetes e muita animação e a festa termina no largo do Terreiro. É de salientar que com o desenvolvimento cultural e por influência dos órgãos de comunicação social, as festas de S. Pedrinho tem vindo a ser imitação dos festivais de música.