Breves
Câmara Municipal atribui nome de José Matias a rua em Fajã: A rua José Matias foi inaugurada no final do dia desta terça-feira, 17, em ambiente de Terrenos em Somadinha à venda a partir de Novembro: Os terrenos na zona de Somadinha, à saída da cidade da Ribeira Brava, vão estar Famílias carenciadas do concelho vão poder melhorar a sua dieta alimentar através do projecto Horta : As famílias carenciadas do município da Ribeira Brava, principalmente aquelas dirigida II Semana Municipal de Educação termina com abertura solene do ano lectivo 2015/16: A II Semana Municipal da Educação terminou na sexta-feira com o acto solene de abert Decorre a II Semana Municipal da Educação no concelho da Ribeira Brava: A II Semana Municipal da Educação está a decorrer no concelho da Ribeira Br Fogo-de-artifício e muitos aplausos recebem energia 24h em Juncalinho: A ligação de energia 24h em Juncalinho foi recebida, este sábado 19, com fogo Água a domicílio em Cachaço de cima já é uma realidade: Os moradores da zona de cachaço de cima já têm água em suas casas inves Autarquia avalia estragos deixados pelo Fred e começa a acudir os mais necessitados: Depois da passagem do furacão Fred no nosso arquipélago a equipa da Câmara Mun Zona de Terra Quebrada já tem água a domicílio: A Câmara Municipal da Ribeira Brava inaugurou, na terça-feira, 25, a aduç&atil Lançada a 1ª pedra do projecto de requalificação do jardim infantil Daniel Monteiro : A Câmara Municipal da Ribeira Brava lançou esta terça-feira, dia 11, a primeir

ADEI: Plano estratégico para o Carnaval de São Vicente e São Nicolau recomenda criação de sistema de organização e gestão

Ribeira Brava, 05 Nov (Inforpress) – O Plano Estratégico da Agência de Desenvolvimento Empresarial e Inovação (ADEI) para o Carnaval de São Vicente e São Nicolau, apresentado hoje no Fórum Nacional do Carnaval, recomendou a criação de um sistema de organização e gestão para o Carnaval.

 

Segundo o documento, apresentado pela técnica da ADEI em São Vicente, Alina Andrade, o Carnaval das duas ilhas reúne todas as condições para ser sustentável, "já que as potencialidades são grandes, mas falta melhorar alguns aspectos".
Por isso, o documento propõe cinco eixos de intervenção, tendo em vista as melhorias necessárias.
“Ao nível da organização e gestão do Carnaval, constatamos que de facto há necessidade de melhorias e aqui propomos a criação de um sistema de gestão e organização, mas também melhorias ao nível da promoção do Carnaval enquanto produto cultural e turístico, a introdução de mais inovação e criatividade e a capacitação e formação em todas as áreas”, apontou Alina Andrade.
Este plano, entretanto, foi considerado “discriminatório” por parte dos representantes dos grupos de outras ilhas. Defendem que em vez de plano destinado aos carnavais de São Vicente e São Nicolau, devia ser feito um plano para Cabo Verde no seu todo.
“Reconhecemos que realmente se deve dar algum destaque aos carnavais feitos em São Vicente e em São Nicolau, mas se quisermos realmente estabelecer políticas públicas coerentes e claras, devemos começar por um plano nacional”, sugeriu Vladimir Silves Ferreira, do grupo Vindos do Mar, da Cidade da Praia.
Confrontado com esta questão, Alina Andrade explicou que o destaque dado a essas duas ilhas se deve ao percurso histórico e também ao facto de que são carnavais com "maiores potencialidades" para serem promovidos como produto turístico a nível internacional.
Entretanto, avançou que esse é um plano, ainda em processo de socialização, que é passível de ser implementado em qualquer ilha de Cabo Verde, desde que adaptado à realidade local e às potencialidades de cada um dos grupos.
“Neste plano, apresentamos as opções estratégicas e actividades que podem ser implementadas em qualquer das ilhas e por qualquer grupo”, sublinhou, considerando, contudo, que as actividades propostas podem ser implementadas com "maiores sucessos" nessas duas ilhas em referência, tendo em conta o percurso já feito.
Para a criação desse plano, foi realizado um estudo de diagnóstico que, para além de identificar as potencialidades do Carnaval das duas ilhas, identificou as oportunidades de negócio existentes, que de resto foi o objectivo principal da ADEI.
Segundo Alina Andrade, há uma "grande potencialidade" para a empresarialização do Carnaval, tendo em conta as “somas avultadas” que esse evento movimenta. Só em São Vicente, exemplificou, os gastos com o Carnaval rondam os 100 mil contos.

Fonte: Inforpress